Você já Sentiu Falta de Você Mesmo em Algum Momento?

Que pergunta é essa? Esquisita! Mas tem horas que parece que estamos fora de nós mesmos. Out total!

Você já deve ter sentido isso. Aqueles momentos que precisaria estar plenamente presente para fazer algo, mas sua cabeça estava pra lá e pra cá, circulando por um passado saudoso ou doloroso, transitando para um futuro que nem é tão límpido e evidente, mas que sempre quer ter algo “pra ontem”…?!

Aquela vontade de ter um bem estar que parece nunca acontecer, ali naquele momento… Ou em vários momentos num futuro que não chega!

Mas como se sentir realizado no presente?

Que Diferença Faz Estar Presente? Isto é pra Mim Mesmo?

“Dois monges, um velho e um jovem, estavam andando por uma estrada quando chegaram a um rio que corria veloz. Os dois estavam prestes a atravessá-lo quando uma bela jovem, que esperava na margem, aproximou-se deles. A moça estava vestida com muita elegância e sorrindo com olhos muito grandes.

-Oh – disse ela – a correnteza é tão forte e a água tão fria. Será que vocês poderiam me carregar até o outro lado do rio? Se insinuando sedutora para o par.

O jovem monge não gostou do comportamento daquela moça mimada e despudorada. Achou que ela merecia uma lição. Além do mais, monges não devem se envolver com mulheres. Então ele a ignorou e atravessou o rio.

Porém o monge mais velho deu de ombros, ergueu a moça e a carregou nas costas até o outro lado do rio. Depois os dois monges continuaram pela estrada.

Embora andassem em silêncio, o monge mais novo estava furioso. Achava que o companheiro tinha cometido um erro ao ceder aos caprichos daquela moça e ainda tocá-la.

O jovem reclamava e vociferava mentalmente pelo caminho remoendo a situação ultrajante que acontecera. Finalmente, ele não suportou. E então, começou a repreender o companheiro por ter atravessado o rio carregando a moça. Estava fora de si, com o rosto vermelho e exaurido de raiva.

-Ora, ora –disse o velho monge – você ainda está carregando aquela mulher? Eu já a pus no chão há uma hora. E dando de ombros, continuou a caminhar.”

Não estar no presente para viver o momento é um dos maiores males da humanidade, que vem piorando cada vez mais e a passos largos. Isso, logicamente, na minha modesta opinião, de apenas observador dos acontecimentos e do comportamento humano e suas consequências. Aliás, consequências estas que já bateram à minha porta… e entraram.

Somente depois de sofrer os efeitos colaterais mais fortes por não estar comigo mesmo no presente, foi que enxerguei as razões de ficar gradativamente mais ansioso, estressado e até depressivo. Era muito estranho e, precisava me curar, mas para curar teria que entender também como foi que eu cheguei naquela situação incomum e depreciativa. Foi difícil perceber, mas, fato é que um corpo altamente exigido e demandado, uma hora dá defeito. Simples assim!

No meu caso, corpo e mente. Horas a fio de trabalho e cobranças por dia, relacionamentos instáveis, bebida em excesso como válvula de escape, rotinas pouco saudáveis, dentre alguns outros fatores que fazem da correria “comum” do dia a dia uma bomba-relógio.

Agora, como é que uma pessoa fica no presente se tem muita ambição e sente que sempre precisa de algo que pensa não ter, e sem olhar para si? Que sempre tem tarefas pendentes para fazer e nunca tem tempo para nada? Que não esquece situações que se passaram em seus relacionamentos, não perdoando e não sabendo como solucionar? Esta pessoa transita o tempo inteiro entre um futuro desejado e um passado não resolvido, ou seja, vive para estes dois tempos, nunca relaxa, causando a explosão da bomba que nós mesmos construímos. Então, você está com a bomba na sua mão? Entende o por quê estar no presente é para você?

Como é Estar “Por Aí” e Não “Aqui Agora”

“Muitos de nós não vivemos nosso sonho porque estamos vivendo nossos medos” – Les Brown

Quem conhece mais minha história já sabe que passei por más situações, e somente após me reerguer e ficar bem, consegui claramente relacionar que grande parte do problema teve a ver com o tema deste artigo e com o estilo de vida e hábitos que eu cultivava. Assim, vi que quando precisei de mim eu não estava lá para segurar a onda.

Pense e diga: quando foi que durante uma refeição você prestou atenção no que comia? Na real mesmo! Observe enquanto come e perceba se você está apreciando o que acabou de colocar em sua boca ou já está pensando e manejando o restante para a próxima garfada?

Ou talvez, quando esteja cozinhando, escovando os dentes, se arrumando para sair e até se divertindo com os amigos. E quando saímos de casa e não lembramos se a trancamos ou não? Então. Quantas coisas passam pela sua cabeça? A pressa em terminar o que está fazendo sem uma real razão ou até mesmo sem saber por vezes o que tem de fazer depois?

Observe que em nenhuma destas situações, dentre diversas outras que poderíamos ter como exemplo, ficamos realmente no presente, aproveitando, absorvendo e deixando fluir o momento relaxados e dedicados.
Sem falar, em um dos maiores problemas contemporâneos – o celular. Parece que ninguém mais observa paisagens ou a pessoa ao lado. A necessidade de estar ocupado ou conectado acelera ainda mais a nossa mente e acaba dopando-a com “prazeres” não sustentáveis do imediatismo.

Estes são alguns casos isolados. Agora junte diversos destes ao dia, repetidas vezes, todos os dias! Já diz o ditado”…tanto bate até que fura”.

O quanto de descarga emocional e inquietude carregamos conosco dia após dia? E pensar que só depois de cair nesta armadilha que fui realizar e me situar… porém, a dor precede o crescimento!

As dificuldades expandem nossa zona de conforto. Perceber este crescimento é muito válido, assim como chegar a maturidade ao ponto de estar no meio do olho do furacão com um problema e constatar de forma concreta “o quão irei sair mudado e mais forte deste momento”, por si só já nos faz mais positivos e presentes a cada situação. Não resolve o caso por completo, porém promove alívio e nos faz observar as dificuldades com outros olhos: Os da atenção e da oportunidade.

Enfim, ser resiliente e ter inteligência emocional são artes das mais valiosas! E podem ser treinadas.

Vivendo com Você Mesmo em Grande Estilo

“Chegou a hora de viver a vida que você sempre imaginou que teria” – Henry James
Mas então, como é que fazemos para estar presentes? Como ficamos com nós mesmos?

Como é que você fez para sair dessa? Por vezes me perguntam. Fácil, é só deixar de fazer tudo que pode lhe fazer mal.
Espere aí! Vou parar de trabalhar, só relaxar ou cancelar a metade dos meus compromissos para poder fazer tudo com tranquilidade?

Calma, não é por aí. Não precisa ser radical assim (quer dizer, quem não quer ser não precisa, mas que também dá para ser radical, isso dá!). Logicamente que diferentes soluções, adaptações e mudanças de hábitos variam de pessoa para pessoa.
Aqui, pretendo somente compartilhar as minhas impressões e dicas práticas do que funciona para mim e para grande parte das pessoas com quem trabalho, que utilizam a seu favor, quando não todas, pelo menos algumas das atividades que adoto. A partir destas, surge também o interesse dos mesmos em buscar outras formas que possam lhes servir, já que passam a ter algo que não tinham antes que é: A nova visão e consciência da questão que vivem.

Bom, simplificando tudo que estamos falando até o momento, a maior questão de não se estar no presente são os pensamentos que rondam em nossa cabeça. Estamos sempre muito ligados em tudo, atentos e absorvendo informações o tempo todo.
Dar uma desligada nessa roda que não para de girar é a primeira dica. Estar no presente é prestar atenção no que se faz no momento e não em dez coisas ao mesmo tempo, como achamos que somos capazes. Celular, e-mail, várias janelas do navegador de internet abertas com assuntos variados e sempre pendentes, celular novamente (e este nos vem à mão por várias e várias vezes…), compromissos mil, e por aí vai.

Nem é assunto deste artigo, mas tudo isso também tem a ver com Alta Performance no que diz respeito à produtividade. Focar em uma única frente a cada hora, é muito mais presente e produtivo do que tentar ser o super-herói das multitarefas.
Então primeiro relaxe. Take it Easy! Seja mais focado, que tudo vai ficar bem, inclusive você e suas demandas. Nem tudo é urgente. Fique atento ao que lhe demandam o tempo inteiro, e esteja mais com você do que com todo mundo o tempo todo.Tudo que fazemos para ficar mais no presente gera, invariavelmente, maior bem estar. E quem não quer isso?

Outro exercício, sendo um dos meus favoritos, e dos que vejo maior adaptação, resultados e o que mais me ajudou, é a meditação. Esta prática, ainda pouco conhecida no ocidente, tem enorme valor. Acalma a mente, o corpo, nos dá centralidade, maior energia e clareza para lidar com as diversas situações que passamos. E não necessariamente tem a ver com concentração ou não pensar em nada. Vale usar o tempo que perde vendo televisão ou acordar mais cedo para praticar pelo menos alguns minutos, e você sentirá uma grande mudança positiva para todo o seu dia. Não é difícil, mas como quase tudo, requer prática e treino. Depois que trazida para o dia a dia como hábito, pode-se até estar maravilhosamente bem que mesmo assim se quer meditar mais, mantendo a serenidade, bem estar e motivação diárias.

Como terceira dica, que particularmente considero a mais importante, e que se não aplicada deixa as anteriores um pouco menos eficientes, é a visão clara que você tem de seus objetivos de vida e se o que faz em seu dia a dia condiz para o alcance destas.
Quando se tem uma direção a seguir, nós nos tornamos ainda mais presentes, pois passamos a acreditar que não adianta ficar ansioso ou apressado para chegar àquela meta, já que um passo de cada vez é o que nos levará até lá, tijolo por tijolo. Não adianta nada ficar ansioso pela chegada do futuro, se o presente não está bem feito. Sonhar é muito bom, e passar nossa jornada construindo este sonho é tão bom quanto.

Então, a visão do objetivo, a motivação e as atividades a serem feitas, nos trazem de verdade ao presente, dando também grande satisfação, realização e bem estar por estarmos sendo quem realmente somos, e não uma cabeça acelerada, sem direção e absorvendo o tempo todo o peso do mundo.

A Hora é Agora… Mãos à Obra

agora

Agora é hora de por em prática tudo isso aí. Lógico que primeiro é preciso observar como hoje nos encontramos, ficando atentos aos nossos comportamentos e pensamentos. Fazendo esse exercício de observação, ficaremos atentos até com outras pessoas e a forma que se comportam e vivem. Não para criticá-las, mas talvez para esclarecer algo não observado pelas mesmas, pois cada um tem sua própria bomba-relógio. Algumas pessoas possuem bombas menores e bem controladas, por vezes até desligadas, porém em sua maioria, principalmente nas grandes cidades, a bomba de alguns até já explodiu sem que estes se deem conta ou saibam como resolver.

Então por favor, não esteja longe quando você precisar de você mesmo. Cuide de sua mente e hábitos da mesma forma que cuidamos de nosso corpo na academia de ginástica ou escovando os dentes todos os dias. Tudo é um conjunto interligado, manter a harmonia e equilíbrio neste mundo cada vez mais acelerado, faz nossa saúde, sanidade e relacionamentos agradecerem eternamente.

Mãos à obra para uma vida melhor no Presente!!!

Abraços e Paz!
Clayton Zeca

Se você se encaixa em uma dessas situações que eu já passei? Conhece pessoas que ainda vivem assim? Então você pode compartilhar este artigo para ajudá-las, e também receber ainda mais conteúdo que disponibilizo sobre Alta Performance de Mente e Corpo.

É só compartilhar e me mandar um e-mail: contato@performancepositiva.com.br vamos nos mexer para uma vida Realizada e em Alta Performance para o mundo em nossa volta.

Escrito por Clayton Zeca
Sou um entusiasta do saudável relacionamento humano consigo mesmo e com o Mundo. Tenho paixão por ajudar, viajar, por esportes e desafios. Sei que coisas loucas acontecem fora da zona de conforto, e eu quero estar lá para aprender e me expandir.